"Este Blog foi criado para aproximar aqueles que se sentem indignados ao presenciar a injustiça, ocorra ela em qualquer parte do planeta. Ele foi criado para aqueles
que acreditam que o conhecimento crítico e o combate a alienação é a libertação do homem e a transformação do mundo. Sinta-se indignado, proteste, lute,
liberte-se, liberte o outro, transforme o mundo..." Prof. Claudenir

Liberté - Igualité - Fraternité / Revolução Francesa - 1789

Liberté - Igualité - Fraternité / Revolução Francesa - 1789
A Liberdade Guiando o Povo - Eugéne Delacroix

domingo, 20 de novembro de 2011

Fluxos de idéias e informação

Nesse capítulo, vamos abordar os fluxos imateriais, conteúdos e temas relativos aos fluxos de informação, responsáveis por uma nova qualidade de comunicação entre os povos, com grandes impactos culturais no mundo. Os fluxos financeiros, que junta­mente com os primeiros, constituem os dois grandes motores da globalização atual, oca­sionando rápidas e intensas transformações em boa parte das regiões e sociedades do mundo.

Em 15 de abril de 2008, a imagem “Representação gráfica dos detritos espaciais em volta da Terra”, na página 16 do caderno do aluno, foi uma das que foram divulgadas pela Agência Espacial Européia (ESA, na sigla em inglês), retratando o lixo espacial na órbita da Terra. De acordo com a agência, desde o primeiro lançamento (1957) até janeiro de 2008, cerca de 6 mil satélites fo­ram enviados para a órbita terrestre. Na data de divulgação das imagens, a estimativa era de que apenas 800 deles estariam ativos, dos quais 45% localizados a uma distância de até 32 mil quilômetros da superfície terrestre.

Ex­plorando as nuances ambientais e tomando-a como mote para refletir sobre a amplitude do atual meio técnico-científico-informacional, pergunto: O que vocês entendem pela expressão "sociedade da informação" e quais impactos conhecem das tecnologias de comunicação na cultura e na economia mundiais?

A acele­ração contemporânea altera a natureza do espaço geográfico, imprimindo um novo ritmo às ações humanas. Certas ino­vações técnicas contribuíram para a mudança na rela­ção espaço-tempo no atual período técnico-científico-informacional.

            Vamos ler o texto “Os fluxos de informação”, na página 17 do caderno do aluno.

            Apesar de ainda não haver homogeneidade na distribuição desses bens (telefone, radar, fotografia, rádio, bomba atômica, transistor, circuito integrado) citados no texto, eles influenciam em demasia nossa vida cotidiana, e boa parte dessas novas criações acabou revolucionando um dos setores mais importantes da atividade humana: as comunicações.

            A aceleração contemporânea é entendida como o momento em que eclodem forças concentradas da sociedade em sua relação com a natureza, e justamente o resultado da proliferação de invenções técnicas em vários setores da atividade humana é que aumenta os ritmos e os fluxos do espaço geográfico.

            Os satélites são uma das mais signi­ficativas novidades técnicas de transporte de informações. Ope­rados por meio de estações transmissoras e receptoras de sinais instaladas em terra, os sa­télites contribuíram para quatro importantes mudanças:

1. A distância está deixando de ser uma bar­reira para a difusão das informações, pois, agora digitalizadas, podem ser transferidas para regiões que possuam os equipamen­tos necessários (antenas receptoras), onde esses fluxos são absorvidos;

2. Cada vez mais, a fala, as imagens e os tex­tos são transmitidos de maneira semelhan­te, por meio de impulsos eletromagnéticos;

3. Desenvolveu-se a chamada "sociedade da informação": cada vez mais as pessoas pre­cisam de informações para o seu trabalho (dados sobre a economia, outras culturas, suas atividades profissionais) e também para o seu lazer (produção de filmes, televisão a cabo). "Informação" é diferente de "comunicação" e não podem ser tratadas como sinônimos. A comuni­cação se faz com informações, mas nem todas as relações comandadas pela infor­mação realizam plenamente a comunica­ção. A diferença é sutil, mas importantís­sima. O telefone é quase sempre um meio de comunicação: nele os participantes têm papel comum. Ambos podem falar e ouvir. Por sua vez, a televisão é um meio de informação que não realiza a comuni­cação por inteiro. Não há posição comum entre o emissor e o telespectador. O emis­sor fala, enquanto o receptor assiste e ouve. Para a Geografia, é de grande valor a separação entre meios de comunicação e meios de informação;

4. Também está havendo a associação entre as tecnologias de computação e de comu­nicação, por intermédio das mensagens por bits eletrônicos. Bit é uma unidade de medida da informação, assim como o grama para o peso e os centímetros para a distân­cia; é a conjunção de partes das pala­vras binary digit - dígito binário -, em inglês, linguagem que permite a trans­missão e a decodificação de mensagens pelos computadores). O exemplo mais importante da atualidade é a internet.

 

Os fluxos de informações e as redes sociais

Leia o texto “Internet e inclusão social”, na página 20 do caderno do aluno. Ele foca as novas possibilidades de comunica­ção e as diferentes formas de acesso na so­ciedade da informação.

 

Estudo de caso: as redes televisivas mundiais

Para aprofundar o conteúdo relativo aos fluxos imateriais, vamos recorrer a certos temas familiares: o das redes tele­visivas mundiais, consideradas como fontes de fluxos de informação que carreiam (levam) impactos cul­turais expressivos, inclusive na nossa vida.

Durante o século XX, as trocas internacionais de filmes e bens culturais - como cinema, fo­tografia, rádio e televisão, material impresso, literatura, música, artes visuais etc. - foram im­portantes para o desenvolvimento da indústria do entretenimento. Entretanto, atualmente a intensificação das trocas comer­ciais entre países, somada à exacerbação do consumo (características indissociáveis – inseparável – da glo­balização), alçou o comércio mundial de bens culturais a uma posição jamais vista. Apenas para se ter idéia, segundo dados do Relatório do desenvolvimento humano 2004, do PNUD, em 1980 esse mercado movimentou cerca de 95 bilhões de dólares em todo o mundo, passan­do, em 1998, para mais de 380 bilhões, tendo apre­sentado, assim, um aumento de quatro vezes.

A globalização e a revolução nos meios de transporte e de co­municação impulsionaram o aumento do po­der das empresas, particularmente das grandes corporações transnacionais. No setor de produção de informações e de comu­nicação, o processo não foi diferente: assim como existem grandes empresas que fabri­cam e vendem carros, roupas e computadores, atualmente também há empresas especializa­das em produzir e vender artigos relacionados ao mundo da informação e da cultura de mas­sa.

Desde a década de 1980, as novas tecnologias das comunicações por saté­lite possibilitaram a intensificação do proces­so de difusão cultural e de informações. Entre os efeitos importantes dessa inovação tecno­lógica, destaca-se a formação de poderosas redes mundiais de televisão, que atualmente dispõem de alcance global. Ao lado disso, o número de aparelhos de televisão por mil ha­bitantes mais que duplicou em todo o mundo: em 1980, essa relação era de 113‰ (por mil); em 1995, 229‰; e, desde então, aumentou para mais de 243‰.

Veja o poder das grandes empresas de telecomunicação: foi por meio de grandes emissoras norte-americanas que boa parte do mundo foi informada sobre acon­tecimentos trágicos e guerras recentes que colocaram os Estados Unidos em evidência: as guerras contra o Iraque (1991 e 2003) e os bombardeios no Afeganistão (2001), os atentados ao World Trade Center e ao Pentá­gono (11 de setembro de 2001) e muitos ou­tros eventos. De que maneira e intensidade a formação de nossas opiniões sobre esses atos de violência pas­sados e outros da atualidade esteve ou está baseada nas imagens, nos textos e nos comen­tários que os jornalistas nos transmitiram?

Em nosso país, como em muitos outros, poucas notícias sobre os conflitos e acontecimentos citados foram veiculadas segundo a versão dada por emissoras de outras nacionalidades e proce­dência geográfica, como as européias ou ára­bes, que contam com elevada audiência no Oriente Médio e entre os imigrantes árabes que vivem na Europa.

As emissoras árabes transmitem com frequência uma interpretação diferente dos canais televisivos ocidentais sobre fatos im­portantes da realidade mundial. No contexto televisivo do mundo árabe, em que os canais de televisão se caracterizam pelo conformis­mo diante dos fatos e pela reverência aos po­deres políticos constituídos, existem emissoras que, contrariamente, não aceitam se submeter a um controle direto ou indireto dos poderes políticos que impõem uma forte censura em face das demais.

Por um lado, ser informado sobre o que está ocorrendo em outras partes do mundo é fundamental para que nosso próprio conhecimento ou cultura sejam ampliados (ou mesmo modificados), no tocante ao mundo em que vivemos e aos nossos próprios espaços de vivência. Em contrapartida, frequentemente, a informa­ção que nos chega já está manipulada por redes de comunicação, cujo governo (no caso, dos Estados Unidos) foi protagonista direto das guerras anteriormente citadas. É necessário rever hábitos e atitudes quanto às fontes de aqui­sição de informações, como também refletir sobre a qualidade do que lemos, escutamos e assistimos.

 

Rede global e economia especulativa

A expressão "es­pecular" significa fazer operações financeiras ou comerciais com bens negociáveis, a fim de tirar proveito da variação de preços. Com a globalização, ocorreu um aumento da atividade especulativa sobre as moedas.

A internacionalização das fi­nanças e o aprofundamento da economia especulativa se tornaram possíveis, em grande parte, graças a dois conjuntos de fatores:

a) a liberalização e a desregulamentação das economias nacionais, estimuladas pelo neoliberalismo;

b) o avanço nos últimos 20 anos da tecnologia eletrônica, que permite a movimentação instantânea de dinheiro entre as bolsas de valores de todo mundo por intermédio das redes de computadores integradas em escala global.

As bolsas de valores são instituições nas quais se negociam ações e títulos, ou seja, documentos que certificam a propriedade de um bem ou valor. Atualmente, são poucas as regiões do mundo que não são influenciadas de algum modo pelas operações do sis­tema financeiro globalizado, ou pelo excesso de capital financeiro acumulado, ou pela total falta dele, ou, por vezes, pela "fuga" desse capital.

Os países em desenvolvimento são os que acabam sofrendo mais com essa mobilidade financeira no mundo. Países como Brasil, Argentina e México tomam uma série de medidas para que os capitais fi­nanceiros permaneçam depositados em seus bancos (ou que sejam investidos nas bolsas de valores), com a finalidade de aumentar a quantidade de dinheiro disponível ao desen­volvimento de seus territórios.

Esses fluxos financeiros são especula­tivos, isto é, mudam de um lugar para ou­tro no mundo de acordo com as vantagens oferecidas pela praça financeira. Em outras palavras, é importante salientar que esses investimentos não são produtivos, ou seja, eles não são direcionados para a abertura de indústrias, o comércio, o setor de prestações de serviços ou para as atividades agropecuárias, enfim, para atividades que geram empregos e riquezas. São investimentos que beneficiam apenas aqueles que possuem o grande capital e prejudicam a maioria da população, pois esses ataques especulativos deixam as economias nacionais desequili­bradas, levam a falências e ao desemprego e encarecem os produtos, complicando ainda mais a vida da população de baixa e média rendas.

1º DE MAIO - DIA DE LUTA

1º DE MAIO - DIA DE LUTA
Conflito na Serra Pelada - Sebastião Salgado

DIA DAS MÃES - UM GRANDE DIA

DIA DAS MÃES - UM GRANDE DIA

08 DE MARÇO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

08 DE MARÇO DIA INTERNACIONAL DA MULHER

UMA REFLEXÃO SOBRE O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

PENSAMENTO VIVO

"Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor de sua pele ou por sua origem ou sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender. E se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar, pois o amor chega mais naturalmente ao coração humano do que o seu oposto. A bondade humana é uma chama que pode ser oculta, jamais extinta." Nelson Mandela

“Nós, que sobrevivemos aos campos, não somos as verdadeiras testemunhas. Esta é uma idéia incômoda que passei aos poucos a aceitar, ao ler o que os outros sobreviventes escreveram, inclusive eu mesmo, quando releio meus textos após alguns anos. Nós, sobreviventes, somos uma minoria não só minúscula, como também anômala. Somos aqueles que, por prevaricação, habilidade ou sorte, jamais tocaram o fundo do poço. Os que o fizeram, e viram a face das Górgonas, não voltaram, ou voltaram mudos”

Primo Levi, escritor italiano, foi um dos 23 sobreviventes entre os 649 judeus que foram encaminhados para Auschwitz com ele em abril de 1944.

A Terra em 100 Anos

Loading...

A FORMAÇÃO DA TERRA

Loading...

O UNIVERSO MACROSCOPICO E O MICROSCOPICO

Loading...

O Universo que existe em você, e você que existe no universo

Loading...

LOVE IS LOVE

LOVE IS LOVE
Reflita sobre o mundo

Simone de Beauvoir

Simone de Beauvoir
Pense sobre o mundo